(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

Eleições na Associação de Socorros Mútuos "A Lacobrigense"

Eleições na Associação de Socorros Mútuos "A Lacobrigense"

Notícia publicada a 16 de Dezembro na edição impressa de Dezembro 2020 do Jornal Correio de Lagos (CL).

"A Lacobrigense" – Associação de Socorros Mútuos é uma das mais antigas Associações Mutualistas nacionais e uma das mais prestigiantes no contexto do associativismo do Município de Lagos. É uma instituição particular de solidariedade social que tem vindo a desenvolver, ao longo da sua existência, um conjunto de projectos e actividades que visam o apoio a diferentes pessoas e entidades que a ela recorrem, em particular, ao nível da assistência medicamentosa e assistência médica.

"A Lacobrigense" é detentora de uma Farmácia e uma Clínica. Ao que o CL apurou, concorrem duas listas, que se apresentam a sufrágio dos sócios no dia 22 de Dezembro, para o mandato 2021/2024.

Dado o interesse que rodeia este acto eleitoral, e à semelhança do que aconteceu em 2018, é oportuno conhecer as respectivas candidaturas. Assim, endereçamos duas perguntas aos candidatos à liderança da Direcção, para publicação na edição de 16 de Dezembro de 2020: José Joaquim Martins Pereira, actual Presidente da Direcção; António Mário Barroso, ex-Tesoureiro da Direcção.

1 – Por que razão se candidata à Presidência da Direcção da Associação "A Lacobrigense"?

2 – Quais as linhas estratégicas que apresenta, para conquistar a confiança e os votos dos associados?

José Joaquim V. Martins Pereira

Quase 62 anos de idade e de residência em Lagos, natural de Loulé, trabalhador independente. Presidente da Direcção da Lacobrigense desde 2018 (Associado Nº. 197). Sempre em regime de voluntariado em várias associações locais, na Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos, desde o Corpo de Bombeiros, Assembleia Geral e Direcção. Também, e a outro nível, na Federação dos Bombeiros do Algarve.

1 – «Hesitei bastante. Houve um grupo de associados que me incentivou. Assim, no meu caso, é uma recandidatura de alguma forma natural. Um segundo mandato é quase inevitável quando o primeiro é "curto" para concretizar objectivos. E este mandato ainda mais curto foi. Arrisco a relembrar as reflexões apresentadas no início do mandato, que agora termina: Qual o papel d'A Lacobrigense na "Rede Social"?; Qual a imagem junto da comunidade lacobrigense?; Quais as parcerias locais, regionais e nacionais estabelecidas?; Que protocolos tem com outras entidades?; Quais as mais valias de se ser associado d'A Lacobrigense?. Se o ano de 2020 foi completamente amputado pelo Covid-19, pois esta malvada pandemia obrigou-nos a desviar esforços, recursos e energias para nos concentrarmos em defesas físicas e em estratégias para proteger associados, utentes e funcionários, com o único objectivo de manter a Associação "A Lacobrigense - ASM" em funcionamento. Foi possível, em 2018 e 2019, aumentar financeiramente o património recebido da anterior Direcção, que durou nove anos (três mandatos) e, ao mesmo tempo, introduzir mudanças significativas, não só na apresentação pública da Associação, como também numa maior integração no tecido social lacobrigense, reforçando o papel na Rede Social, desde protocolos com entidades de saúde que oferecem serviços de que A Lacobrigense não dispõe, com associações desportivas, com agrupamentos escolares e outras colaborações, mas, principalmente, na melhoria da oferta aos Associados, sem nunca afectar a segurança patrimonial. A oferta agora disponibilizada aos associados pode e deve ser maior e reforçada. É perfeitamente possível. Devem e podem ser repostas, sem pôr em causa a sustentabilidade da Associação, as vantagens que em mandatos anteriores foram retiradas aos Associados. É imperativo! Se assim não for, a "sangria" de Associados continuará e a razão da existência da Associação de Socorros Mútuos "A Lacobrigense" fica fragilizada».

2 – «Basicamente, o que foi antes genericamente enunciado, mantendo os mesmos objectivos de determinação, de capacidade e disponibilidade de sempre: manter a qualidade dos serviços que são oferecidos aos associados e, simultaneamente, aplicar novas ideias e concretizar projectos antigos, mantendo o foco principal nos associados, que são a verdadeira e única razão para a existência d'A Lacobrigense; reforçar e dinamizar os já existentes Planos de Apoio ao Associado, que pusemos em vigor, por exemplo, nas Entregas ao Domicílio, nos descontos directos e na forma alternativa já implementada para o Pagamento de Quotas por transferência bancária, no Apoio à Saúde Animal; reequacionar e tentar modernizar o funcionamento da Farmácia, mesmo e sobretudo com o Covid, para mais conforto e vantagens dos associados; continuar a privilegiar o contacto directo com o associado, através da página na internet, do Facebook, e do contacto pessoal. Tudo isto visando também e, principalmente, os que possam vir a ficar em situações mais delicadas, pois sendo o Mutualismo Associativo um sistema assente nos princípios de ajuda recíproca entre os seus membros e de contribuição colectiva para benefício de cada um deles, outra qualquer atitude não faria sentido».

António Mário da Silva Barroso

António Mário da Silva Barroso, 59 anos de idade, empresário, natural de Malanje, Angola, residente em Lagos há 42 anos em permanência, visto ter origens nesta bela cidade, por parte do seu pai. «Iniciei-me no Associativismo na Escola Industrial e Comercial de Santarém, ao concorrer à Associação de Estudantes, no longínquo ano de 1976», conta. «Pouco tempo depois de chegar a Lagos, fui convidado por Fernando Viana para fazer parte dos Corpos Sociais do célebre Centro de Educação Desportiva de Lagos, como Tesoureiro. Mais tarde, decorria o ano de 2003, tive um convite para pertencer a uma lista concorrente à LacobrigenseAssociação de Socorros Mútuos. Iniciei a minha actividade nesta associação como suplente tendo, a meio do segundo mandato, entrado para a Direcção, vindo a ocupar o cargo de Tesoureiro. No total, ocupei 12 anos o cargo de Tesoureiro, tendo tido oportunidade, deste modo, de conhecer de forma aprofundada quer A Lacobrigense - ASM, quer o próprio Mutualismo». Mandatário da Lista A e candidato a Presidente do Conselho de Administração de A Lacobrigense – ASM, para o quadriénio 2021-2024.

1 - «No intuito de melhorar as condições a disponibilizar aos associados de A Lacobrigense – ASM, tive a oportunidade de me juntar a um grupo de dezoito associados que, tal como eu, pretendem ver defendidos os princípios inerentes ao mutualismo, a saber: a) Princípio da liberdade; b) Princípio da democraticidade; c) Princípio da igualdade e não- -discriminação; d) Princípio da independência e autonomia; e) Princípio da solidariedade; f) Princípio da responsabilidade. Assim, com base numa já longa experiência ao nível do associativismo mutualista, a nossa equipa apresenta-se ao acto eleitoral do próximo dia 16 de Dezembro de 2020, com vista a reforçar e ampliar os valores desta octogenária associação mutualista que, através da entreajuda e da quotização dos seus associados, pratica, no interesse destes e das suas famílias, fins de auxílio recíproco de protecção social e desenvolvimento humano (art.º 2.º dos Estatutos de A Lacobrigense – ASM)».

2 - «Concretizando o acima referido, a nossa lista apresenta-se ao acto eleitoral de 16 de Dezembro de 2020 com um conjunto de propostas realistas e concretizáveis, tendo em conta o conhecimento que temos já desta associação, e dirigido às três valências d'A Lacobrigense – ASM. No que respeita à Farmácia, propomos alargar à comunidade a entrega de medicamentos ao domicílio; procurar resolver as condições de espera dos utentes (reduzir as filas de espera); criar "caixa-expresso" para utentes que, por correio eletrónico ou SMS, enviem a sua prescrição. No que respeita à Clínica, propomos disponibilizar o serviço de teleconsultas (tanto a associados, como ao público em geral); disponibilizar o serviço de prescrições electrónicas; reforçar a rede de cuidados ao domicílio; suplantar os benefícios dos associados às convenções com outras entidades. No que respeita à Associação, propomos uniformizar o número de associado dentro das suas diferentes valências; simplificar o processo de restituição de benefícios aos associados; reforçar a vertente social da associação na comunidade. Deste modo, esperamos ir ao encontro dos interesses e, acima de tudo, dar resposta às preocupações dos associados d'A Lacobrigense têm».

  • PARTILHAR   

Outros Artigos