(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Birdwatching
(Z4) 2021 - Reduzir o Desperdício

DECO Algarve: "Preciso de fazer um crédito, que situações devo ter em consideração?"

DECO Algarve: "Preciso de fazer um crédito, que situações devo ter em consideração?"

O digital e as novas tecnologias vieram facilitar a vida dos consumidores e actualmente é possível contratar um crédito à distância, através do seu smartphone ou da Internet.

Saiba que, antes de se vincular, tem direito a ser informado, em tempo útil, através de papel ou outro suporte duradouro, da identificação da instituição de crédito, de quais os serviços a contratar e dos termos do contrato.

Tratando-se de um contrato à distância, o consumidor beneficia ainda de um período de reflexão, tendo o direito de livre resolução, ou seja, ao arrependimento, até 14 dias após a celebração do contrato.

Não precisa de apresentar justificação nem terá qualquer penalização, excepto se já tiver recebido o empréstimo. Nesta situação terá 30 dias para devolver o crédito, incorrendo em juros até ao seu reembolso e eventualmente a pagar o imposto de selo, se já liquidado pela instituição.

Para exercer este direito, o consumidor deve enviar à instituição de crédito carta registada com aviso de recepção e guardar comprovativo.

Outras situações a evitar

A necessidade leva, por vezes, o consumidor a expor-se a “armadilhas” que poderão colocar em perigo a situação financeira ou o seu património, como é o caso dos anúncios que promete dinheiro “na hora”.

Alguns dos requisitos exigidos para obter este tipo de empréstimo são a garantia de imóvel ou mesmo a sua venda a terceiros, ou cheques (em regra) de 100 euros, que, apesar de pré-datados, poderão ser levantados a qualquer momento, ou ainda a emissão de uma declaração de dívida como "comprovativo do negócio". O objectivo em regra é a obtenção de lucro fácil.

O conselho da DECO é para que evite a todo o custo recorrer a estes "esquemas" que prometem dinheiro na hora, que cobrar-lhe-ão juros elevadíssimos, poderão inclusivamente empurrá-lo para uma espiral de dívida(s) da qual só muito dificilmente conseguirá sair, arriscando-se a ficar sem património.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos