(Z1) 2022 - CM de Vila do Bispo - Birdwatching
(Z4) 2022 - Projecto Águas Sem Fronteiras

Hospital cria consulta descentralizada para micro-eliminação da hepatite C

Hospital cria consulta descentralizada para micro-eliminação da hepatite C

 Os Serviços de Infecciologia e de Gastrenterologia do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) criaram, recentemente, uma consulta descentralizada de Hepatite C, que se realiza na Equipa de Tratamento (ET) Agualva-Cacém, com uma periodicidade de semanal. A consulta é coordenada por Patrícia Pacheco, directora do Serviço de Infecciologia, e por Alexandra Martins, médica do Serviço de Gastrenterologia, e é realizada por especialistas de ambos os serviços. É parte fundamental de um projecto que visa a micro-eliminação da hepatite C nos utentes com dependências, que são acompanhados na área de Agualva-Cacém, tendo surgido no contexto da iniciativa Fast-track Cities, uma via rápida para acabar com a epidemia VIH, no concelho de Sintra.

"Trata-se de uma iniciativa conjunta, fruto de uma parceria entre três entidades [o HFF, a ET Agualva-Cacém e uma organização não governamental (ASHEAS)], que pretende responder a este desafio de forma global, com a formação de profissionais, a melhoria do diagnóstico através do rastreio, a descentralização de consultas médicas, o apoio individualizado e a toma da medicação, de forma a beneficiar os doentes e a atingir a meta da eliminação da hepatite C nesta população”, afirma Patrícia Pacheco, referindo que, de acordo com um levantamento efectuado pela ET Agualva-Cacém, em 2019, apenas 28,3 por cento dos 534 utentes com serologia VHC+ tinham evidência documental de referenciação hospitalar.

Alexandra Martins refere que “a hepatite C crónica é um importante problema de Saúde Pública”. “Estima-se que, globalmente, cerca de 115 milhões de pessoas, ou seja, 1,6 por cento da população mundial estiveram alguma vez infectadas pelo VHC, sendo, por isso, muito importante a descentralização das consultas especializadas hospitalares para locais onde esta população de alto risco se encontra em seguimento.

E continua: “Em Portugal, tal como noutros países desenvolvidos, uma das áreas identificada como crítica no atingimento desta meta é o acesso de populações vulneráveis, como é o caso dos utilizadores de drogas, que apesar de terem elevado risco de infecção, persistem com acesso limitado aos cuidados de saúde especializados e ao tratamento. Desde 2017 que o plano nacional para as hepatites virais refere explicitamente a necessidade de criar estratégias individualizadas e adequadas a populações que vivem com hepatites virais crónicas e apresentam maior dificuldade em aceder aos Serviços de Saúde.

Este novo modelo de consulta visa reduzir as barreiras aos cuidados de saúde e expandir o acesso ao tratamento e ao seguimento, através da interligação de cuidados. O envolvimento dos diversos parceiros, com equipas multidisciplinares, com responsabilidades definidas e partilhadas num novo modelo local integrativo de gestão do percurso do doente com hepatite C pode contribuir para a estratégia de micro-eliminação de hepatite C. Este projecto teve início em 2019, mas a sua implementação foi adiada pela pandemia COVID-19.

A infecção pelo vírus da hepatite C é uma doença infecciosa crónica com elevada taxa de cura dada a eficácia e segurança dos novos regimes antivirais de acção directa. O tratamento tem um benefício individual (redução do risco de desenvolvimento de cirrose, carcinoma hepatocelular e de outras complicações extra-hepáticas), bem como colectivo (pela evicção de transmissão de novas infecções). A meta da OMS é a erradicação da hepatite C enquanto problema de saúde mundial em 2030.

Saiba mais em: www.hff.min-saude.pt/

  • PARTILHAR   

Outros Artigos