(Z1) 2022 - Água - Poupe Hoje Para Não Faltar No Verão
(Z4) 2022 - Projecto Águas Sem Fronteiras

Workshop Boas Práticas Planos Municipais de Igualdade e Conciliação (8 de Março) - Intervenção do Presidente da CCDR Algarve, Dr. José Apolinário

Workshop Boas Práticas Planos Municipais de Igualdade e Conciliação (8 de Março) - Intervenção do Presidente da CCDR Algarve, Dr. José Apolinário

A CCDR da Região do Algarve tem na sua missão o assegurar da coordenação e a articulação das diversas políticas sectoriais na região.

A igualdade e a não discriminação são condição para a continuação de um futuro mais sustentável para Portugal. Com efeito, a intervenção ao nível do mercado de trabalho e da educação, da prevenção do combate à violência doméstica e de género, a não discriminação e promoção da igualdade entre mulheres e homens, são tarefas fundamentais do Estado.

As desigualdades salariais, a desigualdade de acesso à actual revolução digital, a violência doméstica e no namoro, a violência contra as mulheres, a sub-representação política, são exemplos de discriminação e de avanços ainda insuficientes nos direitos das mulheres.

Em matéria, salarial, por exemplo, o fosso entre homens e mulheres portuguesas aumentou de 10,9% em 2019 para 11,4% em 2020, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat. Durante a pandemia 30% das trabalhadoras portuguesas tiveram de reduzir o trabalho remunerado devido ao “aumento do trabalho em casa”. Também na violência doméstica, as mulheres continuam a ser as maiores vítimas.

Neste Dia Internacional da Mulher 2022 quisemos destacar e valorizar boas prácticas de planos municipais de igualdade e conciliação em diagnóstico e implementação. Apresentámos e partilhámos aqui o trabalho em curso nos Municípios de Lagoa, Loulé, São Brás de Alportel, Vila do Bispo, Tavira e Monchique.

Os Planos Municipais de promoção da igualdade são a concretização da Estratégia para a Igualdade de Género no plano municipal e de proximidade.

Neste Dia Internacional da Mulher de 2022 saudamos igualmente as mulheres ucranianas, as vítimas mais visíveis desta guerra na Europa, obrigadas a refugiar-se fora da Ucrânia, com as suas crianças, a sua dor, incerteza no futuro, mas também com esperança, esperança no fim da guerra, e esperança na própria europa.

Uma enorme responsabilidade para todos os europeus, também para os portugueses, um Povo desde sempre aberto ao Mundo.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos