(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Birdwatching
(Z4) 2021 - Reduzir o Desperdício

Trabalhadores da ALGAR e do INATEL, pequeno comércio e situação no desporto marcam visita de deputado do PCP à região

Trabalhadores da ALGAR e do INATEL, pequeno comércio e situação no desporto marcam visita de deputado do PCP à região

No passada segunda feira, 22 de Setembro, o deputado João Dias, deputado do PCP na Assembleia da República, dedicou o dia à região do Algarve desenvolvendo diversos contactos.

A jornada começou ainda antes das 8 horas junto dos trabalhadores da ALGAR - Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos SA, na estação de transferência de Faro/Loulé/Olhão localizada no Parque das Cidades, onde em dezenas de contactos foi transmitida a solidariedade do PCP à luta dos trabalhadores da empresa (verificou-se uma greve a 7 e 8 de Setembro) numa justa exigência de aumento dos salários e subsídios de refeição, pela atribuição (criação) de subsídio de risco e pela reposição dos valores do trabalho suplementar pagos em 2012, entre outras reivindicações, relativas às categorias profissionais, tabela salarial e progressão na carreira.

Ainda durante o período da manhã, pelas ruas da Cidade de Faro, integrado numa delegação da organização local do PCP, o deputado João Dias desenvolveu um conjunto de contactos no comércio local apresentando as preocupações e propostas do partido para este sector, composto maioritariamente por micro e pequenas empresas.

Já no período da tarde, o encontro em Tavira com a Associação de Andebol do Algarve, permitiu a recolha de importantes elementos sobre a prática desta modalidade desportiva na região e particularmente sobre os problemas e dificuldades sentidas por clubes e atletas, num período onde os constrangimentos associados ao contexto da epidemia põem em causa, ou mesmo inviabilizam, a prática de diversas modalidade, condicionando toda a dinâmica do associativismo desportivo.

A jornada terminou junto ao Hotel INATEL em Albufeira, num encontro com trabalhadores desta unidade hoteleira que, tal como a maioria dos trabalhadores do sector na região, sentem a instabilidade e insegurança nos seus locais de trabalho.

Os impactos da epidemia no Algarve, o aproveitamento que dela têm feito os grupos económicos e financeiros, as orientações e ausência de medidas por parte do Governo, estão a provocar um rápido agravamento da situação económica e social e que, passado o Verão, deixará marcas muito profundas no plano do desemprego e dos direitos dos trabalhadores, na situação de milhares de micro e pequenas empresas, no aumento da pobreza.

Para o PCP, continuam a ser necessárias medidas urgentes para responder aos impactos da epidemia quer no plano social, quer no plano económico.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos