(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

“Por uma vida inteira pela frente” sensibiliza para a importância da prevenção contra a Meningite meningocócica

“Por uma vida inteira pela frente” sensibiliza para a importância da prevenção contra a Meningite meningocócica

Com o objectivo de sensibilizar para a importância da prevenção da Meningite meningocócica, a GSK-GlaxoSmithKline, acaba de lançar o documentário “Prevenir a Meningite - Por uma vida inteira pela frente”.

O projecto conta com testemunhos reais de quem viveu a Meningite na primeira pessoa e deixa um alerta: um em cada cinco sobreviventes fica com sequelas graves(ortopédicas, sensoriais, sistémicas, neurológicas e cognitivas).

O documentário, já disponível no Youtube, inclui depoimentos de seis especialistas médicos, de uma mãe de uma criança sobrevivente de Meningite, e de Lenine Cunha, atleta paralímpico e também sobrevivente de Meningite, entre outros testemunhos, que sublinham a gravidade da doença e a importância da prevenção nas diferentes faixas etárias, para proporcionar uma vida inteira pela frente.

A meningite é a inflamação das Meninges, as membranas que revestem o cérebro e a medula espinal, sendo provocada maioritariamente por vírus e bactérias, mas também por fungos ou parasitas.

O Dr. Hugo Rodrigues, pediatra e autor do blog “Pediatria para todos”, esclarece: “A Meningite meningocócica, uma infecção bacteriana das meninges e da espinal medula, embora seja uma doença pouco frequente, pode afectar qualquer pessoa, em qualquer idade.É uma infecção muito grave e que pode evoluir de sintomas inespecíficos até à morte em apenas 24h”.

“A doença meningocócica transmite-se através do contacto directo com gotículas e secreções nasais favorecidas pela tosse, espirros, beijos e pela proximidade física. Uma doença que, numa fase inicial (primeiras 4-8horas), apresenta sinais e sintomas poucos específicos e que podem ser semelhantes a uma gripe, o que pode gerar despreocupação para uma situação clínica que pode atingir quadros muito graves”, reforça ainda o Dr. Hugo Rodrigues.

Em Portugal, no ano de 2018 (data do último relatório), 70% dos casos foram causados pelo serogrupo B, à semelhança do que se passa no resto da Europa.

Apesar da infecção não escolher idades, as crianças em idade escolar e os adolescentes são um grupo de risco que exige atenção e preocupação, visto que um em cada quatro adolescentes pode ser portador assintomático da bactéria Neisseria meningitidis, tornando-se, assim, potencial transmissor para as restantes pessoas com quem convive.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos