(Z1) 2022 - Água - Poupe Hoje Para Não Faltar No Verão
(Z4) 2022 - Projecto Águas Sem Fronteiras

Desperdício Alimentar: 1/3 dos alimentos produzidos não é consumido

Desperdício Alimentar: 1/3 dos alimentos produzidos não é consumido

As perdas relacionadas com o desperdício alimentar representam um forte impacto ambiental, económico e social, pelo que é essencial identificar as causas e desenvolver mecanismos para atenuar este problema.

Respondendo a esta necessidade premente, a DECO Algarve sai à rua com o projecto “Poupar e organizar para alimentos não desperdiçar”, promovendo sessões de sensibilização para ajudar o consumidor a fazer melhores escolhas de consumo, capacitando-o para uma tomada de decisão mais responsável e consciente, do ponto de vista económico e ambiental.

A DECO entende que deve ser realizado um esforço colectivo e integrado por parte de todas as entidades e organizações envolvidas no sector, disponibilizando aos consumidores a literacia, os meios, e os incentivos para que de forma inclusiva e equitativa, possam fazer escolhas mais sustentáveis.

Foi neste sentido que a DECO Algarve respondeu à chamada à acção de cooperação “Ponha o seu projecto Accionad ODS em marcha!", que pretende financiar iniciativas locais para cumprimento dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, em especial os nºs 11, 12 e 13, e concebeu esta iniciativa “Poupar e organizar para alimentos não desperdiçar”.

Entre Março e Julho, a DECO estará no terreno com este projecto, acreditando que, assim, contribuirá para uma economia circular, minimizando os impactos ambientais, financeiros e sociais do desperdício alimentar.

A nível local, a DECO entende que com a criação/aceleração no processo de desenvolvimento dos Planos Municipais de Combate ao Desperdício Alimentar será possível promover a redução do desperdício alimentar através de uma abordagem integrada e multidisciplinar, permitindo sensibilizar as famílias sobre os custos ambientais, económicos e sociais do desperdício alimentar, procurando que estes se tornem agentes activos de mudança.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos