(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Birdwatching
(Z4) 2021 - Reduzir o Desperdício

Aprovada Orientação Geral do novo Regulamento Europeu das Pescas em Conselho de Ministros Europeu

Aprovada Orientação Geral do novo Regulamento Europeu das Pescas em Conselho de Ministros Europeu

Foi aprovada a Orientação Geral relativa à revisão do Regulamento do Controlo das Pescas, que constituía um dos principais objectivos da Presidência Portuguesa e cujas discussões já decorriam há cerca de três anos.

O Ministro do Mar, acompanhado pela Secretária de Estado das Pescas e pelas Subdirectoras-Gerais da Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), presidiu ontem, dia 28 de Junho, ao último Conselho de Ministros das Pescas sob Presidência Portuguesa, que aprovou esta Orientação Geral.

O compromisso expressa o melhor equilíbrio possível entre as posições de todos os Estados-Membros, no sentido de uma maior digitalização, sustentabilidade, rastreabilidade dos produtos da pesca, harmonização dos sistemas de controlo, transparência e segurança jurídica; uma base sólida para as futuras discussões com o Parlamento Europeu.

Na reunião foi obtido um parecer favorável da larga maioria dos ministros, embora alguns tenham defendido que não deve haver recuos aquando da negociação com o Parlamento, ao passo que outros sublinharam a necessidade de serem tidas em conta as especificidades de algumas frotas, a nível regional, de que é exemplo a pequena pesca.

No que respeita às Oportunidades de Pesca para 2022, os ministros manifestaram as suas posições relativamente à Comunicação da Comissão e, de uma forma geral, reconheceram que o documento apresentado pela Comissão espelhava com clareza o estado dos recursos, a evolução das frotas e a rentabilidade das mesmas.

Nas diferentes intervenções, os ministros sublinharam vários aspectos deste processo, que conduzirá à fixação dos Totais Admissíveis de Captura para 2022. Neste sentido, vale destacar:

  • A necessidade de tratar de forma igual os três pilares da Política Comum de Pescas e reconhecer os esforços envidados e as melhorias alcançadas pelo sector;
  • As incertezas que subsistem na sequência da saída do Reino Unido da União Europeia, dada a necessidade que agora se impõe de realizar consultas anuais sobre a maioria das unidades populacionais no Atlântico e no Mar do Norte;
  • O reconhecimento de que existem unidades populacionais que estão em bom estado ambiental e outras que carecem ser melhor estudadas e monitorizadas.

Por último, os ministros das Pescas exortaram a Comissão a intervir em favor dos pescadores da União relativamente aos procedimentos indevidos que a Noruega tem tomado, quer relativamente ao bacalhau do Svalbard quer quanto à gestão da sarda.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos