(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

SPPCV: Dores nas costas podem ser sintomas de Espondilartrose

SPPCV: Dores nas costas podem ser sintomas de Espondilartrose

A Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral (SPPCV) está a promover uma campanha de consciencialização para a Espondilartrose, uma doença que afecta mais de 80 por cento da população com mais de 40 anos.

Esta iniciativa está disponível nas redes sociais através de um vídeo informativo e tem como principal objectivo alertar para a importância «de se conhecerem os sinais e as medidas preventivas desta doença».

Para Nuno Neves, Ortopedista e Presidente da SPPCV, «esta campanha digital pretende informar a população sobre os sintomas, os factores de risco e as formas de prevenção desta doença, que apesar de surgir devido a uma predisposição genética individual, pode ter outros factores que para ela contribuem. A obesidade, o tabagismo, a ocupação profissional (vibração provocada em trabalhadores que usam martelos pneumáticos ou uma sobrecarga mantida no transporte de pesos) e a falta de exercício físico são os principais».

E acrescenta: «Esta doença resulta do processo de desgaste entre as vértebras da coluna. Um dos sintomas mais comuns são as dores nas costas, especialmente, na parte inferior, e a redução da capacidade de realizar movimentos básicos do dia-a-dia, tais como caminhar e sentar-se. A probabilidade dos sintomas se intensificarem aumenta com a realização dos esforços físicos e a permanência na mesma posição por longos períodos. Em casos mais graves, podem provocar dores tipo ciática, formigueiros e dificuldade em andar».

A Espondilartrose, também conhecida por Espondilose, está intimamente associada ao envelhecimento, estimando-se que, após os 40 anos, mais de 80 por cento da população evidencie algum grau de desgaste dos discos intervertebrais e de artrose nos exames radiológicos. Para atenuar os sintomas, recomenda-se «que seja controlado o peso, mantendo um estilo de vida saudável e activo, com exercício físico regular, e que sejam evitados esforços desnecessários», aconselha o grupo.

Aceda aqui ao vídeo.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos