(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

Reclamações subiram 75% em Hiper e Supermercados. Compras online na origem de 47% das queixas

Reclamações subiram 75% em Hiper e Supermercados. Compras online na origem de 47% das queixas

Pingo Doce, Mercadona e Aldi indicam um Índice de Satisfação acima dos 80 pontos (em 100) no Portal da Queixa, assumindo-se como marcas próximas dos consumidores.

Um estudo realizado pelo Portal da Queixa permitiu identificar um crescimento de 75% do número de reclamações dirigidas ao sector dos Hiper e Supermercados em 2020, comparativamente com 2019. Desde o início de 2021, já foram registadas 717 queixas e atrasos nas entregas são o principal motivo reportado pelos consumidores.

Em ano marcado pela pandemia, assistiu-se ao aumento das compras online, verificando-se que 47% das reclamações estão relacionadas com o comércio online, atestando que as marcas do sector não estavam preparadas a nível logístico e operacional para o boom registado nas encomendas online.

No entanto, apesar da subida das queixas dos consumidores, foram várias as empresas que revelaram uma performance positiva face à resolução dos problemas reportados pelos clientes. Auchan, Continente, Pingo Doce, Mercadona, Aldi Portugal e Supercor destacaram-se pelo elevado índice de satisfação obtido no Portal da Queixa, entre os 70 e 88 pontos (em 100). Por outro lado, Intermarché, Mini Preço e LIDL evidenciaram a falta de proximidade e de preocupação com os consumidores, registando níveis de satisfação abaixo dos 20 pontos em 100.

Entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2020, o Portal da Queixa recebeu 3.656 reclamações dirigidas aos Hiper e Supermercados, representando um aumento de 75% comparativamente com o período homólogo, onde foram recebidas na plataforma 2.089 queixas.

De acordo com a análise efectuada, desde o início do ano (2021) e até 16 de Março, já foram registadas 717 reclamações na mesma categoria, um aumento 35% face às 531 reclamações registadas em igual período do ano passado.

Entre os principais motivos de reclamação dos consumidores portugueses estão: atrasos nas entregas (47%), a falta de apoio/resposta (25%) e problemas com os pedidos de devolução (13%).

  • PARTILHAR   

Outros Artigos