(Z1) 2024 - CM de Vila do Bispo - Festival do Perceve
(Z4) 2024 - CM Lagos - Agenda de Eventos

Preço das casas para arrendar no Algarve subiu 17,7% em 2023

Preço das casas para arrendar no Algarve subiu 17,7% em 2023

Os preços das casas para arrendar no Algarve apresentaram uma subida de 17,7% em 2023, considerando os dados de dezembro de 2023 e do mesmo mês do ano passado. 

Segundo o índice de preços do idealista, arrendar casa tinha um custo de 13,2 euros por metro quadrado (euros/m2) no final do mês de dezembro deste ano, tendo em conta o valor mediano. Já em relação à variação trimestral, os preços apresentaram uma descida de 2,3%.

Em 2023, os preços na região subiram em Loulé (26,8%), Faro (23,3%), Portimão (21,5%), Albufeira (17,1%), Lagos (14,5%), Tavira (11,6%), Silves (7,6%), Olhão (5%) e Vila Real de Santo António (4,1%).

O município mais caro para arrendar casa é Loulé (16,3 euros/m2), seguido por Lagos (13,5 euros/m2), Albufeira (13,1 euros/m2), Portimão (12,6 euros/m2), Faro (12,4 euros/m2), Silves (11,5 euros/m2), Tavira (11,3 euros/m2), Olhão (11,2 euros/m2) e Vila Real de Santo António (10,4 euros/m2).

A nível nacional, a habitação para arrendar em 2023 registou uma subida de 20,4% durante o mesmo período, situando-se em 15,5 euros/m2.

Cidades capitais de distrito

O preço de arrendamento em dezembro subiu em todas as capitais de distrito analisadas, com o Coimbra (31,8%) a liderar a lista. Seguem-se o Funchal (28%), Faro (23,3%), Setúbal (19,9%), Leiria (19%), Braga (17,7%), Lisboa (17,4%), Porto (14,4%), Évora (13,2%), Santarém (8,8%) e Aveiro (5,7%).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro arrendar casa: 21 euros/m2. Porto (16,9 euros/m2) e Funchal (14,5 euros/m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Seguem-se Faro (12,4 euros/m2), Setúbal (11,6 euros/m2), Évora (11,5 euros/m2), Aveiro (11,4 euros/m2), Coimbra (10,6 euros/m2) e Braga (8,6 euros/m2).

Já as cidades mais económicas são Santarém (7,4 euros/m2) e Leiria (8,1 euros/m2).

Distritos/Ilhas

Todos os distritos e ilhas analisados apresentaram uma subida de preços das casas para arrendar em 2023 com a exceção de Vila Real onde os preços desceram 9,3%. A liderar as subidas, encontram-se Portalegre (35,2%), Viseu (32,7%) e Coimbra (28,5%).

Seguem-se ilha da Madeira (25,2%), Porto (23,3%), Setúbal (21%), Leiria (18,7%), Castelo Branco (18,6%), Faro (17,7%), Lisboa (17,7%), Santarém (17,1%), Braga (14,1%), Aveiro (13,8%), ilha de São Miguel (13,5%), Évora (10,3%) e Viana do Castelo (5,4%).

De referir que o ranking dos distritos mais caros para arrendar casa é liderado por Lisboa (19,1 euros/m2), seguido pelo Porto (15,1 euros/m2), ilha da Madeira (13,5 euros/m2), Faro (13,2 euros/m2), Setúbal (12,5 euros/m2), Évora (10,3 euros/m2), Coimbra (9,8 euros/m2), Leiria (9,3 euros/m2), Aveiro (9,3 euros/m2), ilha de São Miguel (9,1 euros/m2), Braga (8,5 euros/m2), Viana do Castelo (8,1 euros/m2), Castelo Branco (7,5 euros/m2), Viseu (7,4 euros/m2).

Os preços mais económicos encontram-se em Portalegre (6,1 euros/m2), Vila Real (6,2 euros/m2) e Santarém (7,3 euros/m2).

Regiões

Em 2023, os preços das casas para arrendar subiram em todas as regiões do país. A liderar as subidas encontra-se a Região Autónoma da Madeira (27,1%), seguida pelo Norte (22,9%) e Alentejo (20,5%). Seguem-se o Centro (20%), Área Metropolitana de Lisboa (18,7%), Algarve (17,7%) e Região Autónoma dos Açores (16,1%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 18,4 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Norte (13,7 euros/m2), Região Autónoma da Madeira (13,6 euros/m2) e Algarve (13,2 euros/m2). Do lado oposto da tabela encontram-se a Região Autónoma dos Açores (8,9 euros/m2), o Centro (9 euros/m2) e o Alentejo (9,7 euros/m2) que são as regiões mais baratas.

Índice de preços imobiliários do idealista

Para a realização do índice de preços imobiliários do idealista, são analisados os preços de oferta (com base nos metros quadrados construídos) publicados pelos anunciantes do idealista. São eliminados da estatística anúncios atípicos e com preços fora de mercado.

Incluímos ainda a tipologia “moradias unifamiliares” e descartamos todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O resultado final é obtido através da mediana de todos os anúncios válidos de cada mercado.

O relatório completo encontra-se em:

https://www.idealista.pt/media/relatorios-preco-habitacao/arrendamento/

  • PARTILHAR   

Outros Artigos