(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

AHETA emite esclarecimento sobre pagamento de feriados no âmbito da Nota Pública do STIHTRSA

AHETA emite esclarecimento sobre pagamento de feriados no âmbito da Nota Pública do STIHTRSA

O STIHTRSA – Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve divulgou, recentemente, uma Nota Pública fazendo crer que os associados da AHETA – Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos eo Algarve estavam obrigados a pagar os feriados com mais 200% desde Setembro de 2017.

Para a AHETA, e uma vez que o conteúdo da Nota do Sindicato contém «imprecisões e inverdades», o núcleo vem esclarecer o seguinte:

1. A ACT – Autoridade para as Condições do Trabalho, nas suas acções inspectivas, levantou a diversas empresas nossas associadas autos de contraordenação, pretendendo ver aplicadas Portarias Extensão respeitantes a Convenções Colectivas de Trabalho celebradas entre outras estruturas associativas empresariais do sector e o Sindicato afecto à FESAHT.

2. Todos os associados da AHETA contestaram, judicialmente, estas contraordenações da ACT.

3. Até à presente data, segundo o nosso conhecimento, a única acção judicial que transitou em julgado, respeitante a uma empresa nossa associada, no Tribunal do Trabalho de Faro, deu provimento ao nosso associado, conforme circular enviada oportunamente a todos os nossos membros, decisão que não foi contestada pela ACT.

4. Ou seja, o Tribunal de Trabalho de Faro considerou que as Portarias de Extensão respeitantes a CCT´s celebrados entre outras estruturas associativas e sindicatos não são aplicáveis aos associados da AHETA, conforme era pretensão da ACT, pelo que o pagamento de feriados a 200% não se aplica aos filiados nesta associação.

5. O STIHTRSA, com base no auto de contraordenação da ACT, interpôs uma acção judicial separada contra esta mesma empresa, tendo em vista o pagamento dos feriados com mais 200% aos filiados neste Sindicato, mas apenas durante o período em causa, ou seja, entre as datas das Portarias de Extensão e a publicação de um novo CCT celebrado entre a AHETA e o SITESE.

6. O mesmo Tribunal do Trabalho de Faro, juízo diferente, deu provimento à causa do Sindicato, o que, em primeira análise, obrigaria, apenas e só, esta empresa específica e os seus trabalhadores filiados no STIHTRSA, e neste período em concreto.

7. Esta sentença encontra-se suspensa, uma vez que a empresa recorreu da mesma para um Tribunal Superior, atendendo à contradição dos dois acórdãos sobre o mesmo assunto.

8. O sindicato, (FESAHT), com base nesta última sentença, envolvendo apenas e somente esta empresa, cuja sentença se encontra contestada, falta à verdade porque pretende criar a ideia de que houve uma decisão judicial aplicável a todas as empresas filiadas na AHETA e a todos os trabalhadores do sector, independentemente da sua filiação ou não neste sindicato.

9. Por outro lado, o Sindicato pretende ainda que esta decisão judicial é aplicável a todas as empresas e todos os trabalhadores, quando o que está em causa é apenas esta empresa e os trabalhadores filiados neste sindicato, durante o curto período em que a AHETA não contestou, porque não tinha de o fazer, as referidas Portarias de Extensão.

10. Acresce que o Tribunal do Trabalho de Faro, através desta sentença, veio agora, definitivamente, dar razão à AHETA, já que as Portarias de Extensão, de acordo com o estipulado no artigo 515º do Código do Trabalho, não se aplicam às entidades que dispõem de Instrumentos de Regulamentação Colectiva em vigor, como era e continua a ser o nosso caso.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos