(Z1) 2024 - CM de Aljezur - Aljezur Sempre
(Z4) 2024 - CM Lagos - Marchas Populares

Autarca de VRSA defende reforço urgente dos meios de emergência médica

Autarca de VRSA defende reforço urgente dos meios de emergência médica

O presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Álvaro Araújo, defende a urgência de reforço dos meios de emergência médica pré-hospitalar no concelho de Vila Real de Santo António e no sotavento algarvio.

Esse reforço passa, no curto-prazo, pela criação de uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) sediada no concelho de Vila Real de Santo António (VRSA), o que permitirá reforçar a capacidade de resposta a emergências médicas na região.

«O trágico episódio ocorrido recentemente, na praia da Lota, onde um homem de 58 anos faleceu devido a uma paragem cardiorrespiratória, enquanto a VMER mais próxima estava a 45 minutos de distância, realça a premência de uma resposta pré-hospitalar efetivamente rápida em situações críticas e a necessidade urgente de estabelecer uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) no concelho», afirma o autarca.

A demora e a distância a que se encontrava a VMER resultaram na intervenção de nadadores-salvadores e outros banhistas na prestação de assistência à vítima até à chegada de uma ambulância com Suporte Imediato de Vida, que transportou o homem até ao Serviço de Urgência Básica de VRSA, onde foi decretado o óbito.

A autarquia compreende as explicações prestadas pelas entidades oficiais e acredita que tudo foi feito, em função dos meios de resposta que estavam disponíveis naquele momento, para evitar este desfecho trágico. Mas, esta situação veio realçar a imperiosa necessidade do reforço da rede de meios de Suporte Avançado de Vida (SAV), com intervenção médica robusta, na região do sotavento algarvio e no próprio concelho.

«A responsabilidade de assegurar a segurança e o bem-estar de todos os que residem, trabalham e visitam este local é incontestável. A efetiva disponibilidade de cuidados médicos de emergência pré-hospitalar é uma componente fundamental dessa responsabilidade», reitera Álvaro Araújo. Realce ainda para o facto de o concelho de Vila Real de Santo António - bem como da região do sotavento algarvio - ter uma relevância notória em termos turísticos, atraindo milhares de visitantes ao longo do ano, com uma afluência ainda maior durante a época alta.

Note-se, a este propósito, que o presidente da Câmara Municipal de VRSA já havia alertado para esta situação antes do início da época balnear, tendo inclusivamente reunido com o Presidente do Conselho Diretivo do INEM, Luís Meira, e com a presidente do conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve, Ana Gomes. No âmbito dessas reuniões o autarca propôs a existência, em permanência, no concelho, de uma VMER com um médico, um enfermeiro, medicação e equipamento de SAV.

«A população necessita deste reforço de meios diferenciados de emergência médica pré-hospitalar e o município de VRSA quer ser um parceiro ativo neste processo», refere Álvaro Araújo. Nesse sentido, consciente das especificidades de funcionamento de um meio altamente diferenciado como é uma VMER - por norma associada a um serviço de urgência hospitalar - o autarca recordou que o Algarve já foi, aliás, pioneiro na definição de soluções adaptadas à realidade regional e dos serviços de saúde, como foi o caso da criação da VMER de Albufeira, em funcionamento no Serviço de Urgência Básica desse concelho.

«VRSA está empenhada em que o INEM e o CHUA coloquem rapidamente em funcionamento a VMER de VRSA, reforçando assim a resposta nesta região e dando também corpo a projetos de cooperação transfronteiriça que o próprio INEM e o Algarve têm em curso», conclui o autarca.

Com o reforço de meios de SAV de âmbito pré-hospitalar não só a capacidade de resposta a emergências fica fortalecida, como se diminuirá o número de situações em que fica a dúvida se - pese embora o esforço dos profissionais envolvidos dos outros níveis de resposta - equipas mais diferenciadas não poderiam ter contribuído para salvar vidas.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos