(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

PCP questiona Governo sobre encerramento do Centro de Distribuição Postal de Monchique pelos CTT

PCP questiona Governo sobre encerramento do Centro de Distribuição Postal de Monchique pelos CTT

Dando seguimento a um percurso de encerramento de Centros de Distribuição Postal (CDP) que se verificou ao longo de 2020 em Montemor-o-Velho, Condeixa-a-Nova, Nisa, Mação, Idanha-a-Nova, São João da Pesqueira (Viseu), prevê-se agora que a próxima Segunda-feira, dia 25 de Janeiro, seja a data estipulada para o encerramento dos Centros de Distribuição Postal de Vilar Formoso e Sabugal, no distrito da Guarda, e de Monchique, no Algarve.

Segundo o grupo partidário PCP, «a estratégia de encerramento dos CDP – locais onde a correspondência é concentrada para, posteriormente, ser distribuída pelos carteiros nos seus giros – com base em razões economicistas tem contado com a cumplicidade do Governo e dos partidos que, na Assembleia da República, insistem em defender a gestão privada, nomeadamente, PS, PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e CHEGA».

Entretanto, diz o núcleo que «há consequências negativas para trabalhadores e utentes», os quais, desde o processo de privatização, «têm criticado a degradação do serviço e reivindicado o seu regresso à esfera pública». Posto isto, o aumento da distância a percorrer pelos trabalhadores é «uma das [consequências] mais visíveis» uma vez que atrasa ainda mais a distribuição postal. A par da degradação das condições para os utentes, que passam a receber mais tarde a sua correspondência, «degradam-se condições de trabalho e remuneratórias», havendo, na ótica deste partido, um aumento do tempo e da distância a percorrer nas deslocações de casa para o CDP, e deste para os locais onde se realizam os tais giros.

O fecho de centros de distribuição em regiões do Interior, como é o caso de Monchique, cujo serviço passa a estar concentrado em Portimão, obrigando a um aumento mensal de 3300 quilómetros em termos de distância percorrida, é «mais um contributo para o longo processo de desertificação, abandonando as regiões menos densamente povoadas», afirma o PCP. A situação agrava-se perante o quadro de pandemia, visto que «a concentração de trabalhadores em espaços menores contribui para aumentar o risco que já enfrentam para manter o serviço postal a funcionar».

Aos milhares de quilómetros a mais que os trabalhadores passam a ter de percorrer, além do «incremento da penosidade associada à profissão de carteiro», associa-se a questão ambiental, «sempre invocada pelo Governo, mas apenas quando é para liquidar o aparelho produtivo nacional», critica o Partido Comunista, não deixando, simultaneamente, de assinalar com preocupação «a ameaça que se acentuará sobre a própria existência de um Posto de Correios em Monchique, à semelhança do que já aconteceu com dezenas de concelhos do país que ficaram sem posto».

Perante esta realidade, o PCP questionou o Governo e exigiu uma intervenção «firme» da sua parte, a fim de reverter esta decisão, porventura «negativa quer para o Algarve, quer para o país».

  • PARTILHAR   

Outros Artigos