(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Birdwatching
(Z4) 2021 - Reduzir o Desperdício

PCP com a luta dos trabalhadores da hotelaria, restauração e similares do Algarve

PCP com a luta dos trabalhadores da hotelaria, restauração e similares do Algarve

No passado dia 29 de Julho, uma delegação do PCP, integrando Paulo Sá – deputado do PCP na Assembleia da República, Tiago Raposo – 1º candidato da CDU no Algarve para as eleições legislativas de 6 de Outubro, e Celso Costa – membro do Comité Central do PCP, reuniu, em Faro, com a Direcção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve (STIHTRSA).

A Direção do STIHTRSA informou a delegação do PCP sobre a degradação dos direitos e rendimentos dos trabalhadores do sector na região algarvia. Apesar do forte crescimento do sector do turismo, registado nos últimos anos no País e no Algarve, a repartição dos proveitos é cada vez mais desigual e injusta, com o patronato a continuar a impor uma política de baixos salários, a precariedade, a desregulação dos horários e ritmos de trabalho cada vez mais intensos, a que se soma a pressão e as chantagens nos locais de trabalho e a repressão da acividade e liberdade sindical.

A Direção do STIHTRSA informou ainda a delegação do PCP sobre as reivindicações dos trabalhadores e as lutas sindicais desenvolvidas em defesa dos seus direitos, e sobre a importante jornada de luta que se realizará no próximo dia 1 de Agosto, quinta-feira: uma Greve Regional na hotelaria, restauração e similares, por aumentos salariais, pelo justo pagamento de feriados, folgas e horas extraordinárias, por horários regulados, pela redução da sobrecarga de trabalho, por emprego estável e com direitos, pela valorização das profissões e a progressão nas carreiras, e pela revogação das normas gravosas do Código do Trabalho.

A delegação do PCP, pelo seu lado, deu nota da sua intervenção, na Assembleia da República, em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores – eixo fundamental de uma política patriótica e de esquerda –, e da sua luta pela revogação das normas gravosas do Código do Trabalho, designadamente, o fim da caducidade da contratação coletiva e a reposição do princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador, e pela consagração de novos direitos como, as 35 horas de trabalho semanal para todos os trabalhadores do sectores público e privado, o pagamento do subsídio de turno e a antecipação da idade da reforma para os trabalhadores que trabalhem por turnos, entre outros.

A delegação do PCP manifestou ainda a sua solidariedade com a luta dos trabalhadores do sector da hotelaria, restauração e similares e, em particular, com a Greve Regional do próximo dia 1 de Agosto.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos