(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

MINISTRA DO MAR DEFENDE PORTO DE SINES COMO PEÇA-CHAVE PARA UMA NOVA ERA NA RELAÇÃO PORTUGAL-CHINA

MINISTRA DO MAR DEFENDE PORTO DE SINES COMO PEÇA-CHAVE PARA UMA NOVA ERA NA RELAÇÃO PORTUGAL-CHINA

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, esteve esta quarta-feira na Conferência “Objetivos e Ideais Comuns: 40 Anos de Cooperação entre Portugal e China”, que teve lugar no ISEG – Instituto Superior de Economia e Gestão, da Universidade de Lisboa.

A Conferência serviu para fazer uma retrospectiva da relação entre Portugal e China ao longo das últimas quatro décadas, mas também para perspectivar novas formas de cooperação entre os dois países, nomeadamente no âmbito do mega-projeto chinês Faixa e Rota (Belt and Road Initiative), que está a criar uma Nova Rota da Seda.

Ora, foi precisamente nas oportunidades de cooperação actuais e futuras que se centrou a intervenção de Ana Paula Vitorino nesta Conferência, defendendo mesmo que o Porto de Sines – nomeadamente o futuro terminal de contentores Vasco da Gama – poderá vir a ser um elemento chave na relação entre Portugal e China, inserindo o nosso país na Rota Marítima da Seda.

O futuro Terminal Vasco da Gama, cujo concurso público internacional será lançado em breve, tem despertado o interesse chinês, como se comprovou uma vez mais na passada sexta-feira quando o Ministro dos Recursos Naturais da República Popular da China, Lu Hau, fez questão de visitar o Porto de Sines para conhecer todos os detalhes do projeto e a sua futura localização, acompanhado por Ana Paula Vitorino. Há sensivelmente um ano, em junho de 2018, tinha sido a Ministra do Mar a deslocar-se a Xangai onde foi recebida na sede da COSCO Shipping e da SIPG - Shanghai International Port Group, dois dos maiores operadores de terminais portuários do mundo, para falar precisamente do futuro Terminal Vasco da Gama.

«Nesta fase de arranque da iniciativa Faixa e Rota, a maior parte do investimento tem sido concentrado no preenchimento do gap infraestrutural e logístico na conetividade comercial entre os países, na construção de estradas, ferrovia, produção e transporte de energia, e portos. Neste contexto, sendo Portugal e China países parceiros há vários séculos, é natural que o Portugal faça parte integrante da Nova Rota da Seda, na sua dimensão marítima», defendeu Ana Paula Vitorino, recordando que a nível portuário as empresas chinesas poderão encontrar outras oportunidades de investimento também em portos como Leixões – onde será construído um novo terminal de contentores – ou Lisboa.

A Ministra do Mar recordou ainda que «Portugal e China assinaram a 5 de dezembro de 2018 um memorando de entendimento visando a cooperação na Nova Rota da Seda, durante a visita a Portugal do Presidente Xi Jinping», e antes, em 3 de novembro de 2017, «Portugal e a China firmaram uma Parceria Azul já fazendo alusão às potencialidades de sinergia económica, científica, comercial e de inovação entre a economia do mar e a Nova Rota da Seda Marítima».

  • PARTILHAR   

Outros Artigos