(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir

Desemprego aumenta e dormidas diminuem

Desemprego aumenta e dormidas diminuem

Artigo publicado na edição de Agosto da Revista Nova Costa de Oiro, em https://www.novacostadeoiro.com

Desde Março de 2020, a Nova Costa de Oiro tem vindo a acompanhar e a analisar a evolução dos indicadores económicos para Portugal, apresentados quer pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), quer pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) declarou que os destinos turísticos, como é o caso do Algarve, têm um risco elevado de virem a sofrer um aumento significativo de desemprego, valor que poderá chegar aos 40% nesta região.

A comunicação social apresentou várias declarações de responsáveis políticos nacionais e da União Europeia. Paolo Gentiloni, comissário europeu da Economia declarou que o agravamento da projecção para a contracção da economia portuguesa deve-se sobretudo a uma retoma abaixo do esperado no sector do turismo, e mencionou a reabertura tardia das fronteiras com Espanha.

Aquando da apresentação das previsões macroeconómicas intercalares de Verão, nas «quais Portugal foi o Estado--membro que viu mais agravada a projecção de contracção do respectivo Produto Interno Bruto (PIB) – Bruxelas estima agora uma recessão de 9,8%, contra6,8% em Maio –, Paolo Gentiloni admitiu que, “sim, há uma diferença nestas previsões de Verão relativamente às da Primavera”», in Executive Digest.

O responsável político declarou que «A diferença deve-se a um desempenho pior do que o esperado no primeiro trimestre e a uma recuperação mais lenta do que o previsto no turismo estrangeiro, particularmente no número de voos, e também no atraso da reabertura da fronteira com Espanha».

Por seu turno, o Instituto do Emprego e Formação Profissional, informou que «A nível regional, no mês de Junho de 2020, o desemprego registado diminuiu, por comparação ao mês anterior, na maioria das regiões, com excepção para as regiões de Lisboa e Vale do Tejo (+1,6) e região autónoma da Madeira (+3,5%). Quanto ao período homólogo, o aumento mais pronunciado deu-se na região do Algarve (+231,8%) e como única excepção, encontra-se a região autónoma dos Açores com -1,7%.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), em Maio de 2020, «o sector do alojamento turístico registou 149,8 mil hóspedes e 307,0 mil dormidas, o que corresponde a variações homólogas de -94,2% e -95,3%, respectivamente (-97,7% e -97,4% em Abril, pela mesma ordem)».

Acrescenta este organismo que «As variações homólogas foram mais acentuadas nas dormidas de não residentes do que nas de residentes: 98,4% e 85,9%, respectivamente (-98,9% e -93,5% em Abril, pela mesma ordem). O INE informou que em Maio de 2020, no contexto do estado de emergência, cerca de 70,4% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (85,0% em Abril de 2020).

Neste mesmo mês, continuaram a registar-se reduções muito expressivas (acima de 90%) nas dormidas de turistas dos 16 principais países de origem». Por último, segundo os dados disponibilizados pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), em relação a 2019, o mês de Junho de 2020, nas unidades de alojamento do Algarve, a taxa de ocupação global média/quarto foi 10,3 por cento, 68,9 pontos percentuais abaixo do valor registado em 2019.

O volume de vendas apresentou uma descida face ao mesmo mês do ano anterior de 81,2 por cento, enquanto o mercado nacional foi o que apresentou a menor descida (-58,7 por cento).

  • PARTILHAR   

Outros Artigos