(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

C.U.V.I. quer Eliminação das portagens na Via do Infante no Orçamento de Estado/2019

C.U.V.I. quer Eliminação das portagens na Via do Infante no Orçamento de Estado/2019

A Comissão de Utentes da Via do Infante congratula-se com o facto de, mais uma vez, serem apresentadas propostas na discussão de especialidade do Orçamento de Estado para 2019, para a eliminação das portagens no Algarve. Chegou ao conhecimento desta Comissão que os Grupo Parlamentares do Bloco de Esquerda e do PCP apresentaram proposta nesse sentido, à semelhança de anos anteriores.

De acordo com o seu comunicado de 23 de Novembro a Comissão de Utentes reitera o que sempre tem dito «as portagens impostas pelo governo PSD/CDS – faz no próximo dia 8 de Dezembro 7 anos – foi um erro crasso e que tem afectado de forma muito negativa o Algarve. Não só em termos económicos, sociais e financeiros, mas também em termos de mobilidade.
Com efeito, a PPP da Via do Infante é o maior crime económico e financeiro que se pratica na região, com o Estado a transferir anualmente para a concessionária privada mais de 30 milhões de euros, para além da cobrança das taxas de portagem. O actual governo porta-se exactamente igual ao governo anterior, pois ainda não teve coragem para afrontar os grandes e obscuros interesses privados da concessionária. Os prejuízos económicos também são muito elevados por parte das empresas e outros utentes que circulam na A22.»
Porém, a Comissão de Utentes vai mais longe e refere que «é no campo da sinistralidade rodoviária que os crimes são ainda maiores. Segundo os últimos dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, desde 1 de Janeiro deste ano e até 21 de Novembro de 2018, ocorreram no Algarve 9 676 acidentes de viação, com 33 vítimas mortais e 180 feridos graves. (São mais 6 mortos e mais 6 feridos graves do que no mesmo período do ano anterior e mais 5 mortos e mais 32 feridos graves do que em relação em 2017). Entre 22 de Novembro de 2017 e 21 de Novembro de 2018 morreram na região 36 pessoas e houve 198 feridos graves, vítimas de acidentes rodoviários, em comparação com os 31 mortos e 188 feridos graves que aconteceram no período entre 22 de Novembro de 2016 e 21 de Novembro de 2017. Uma tragédia sangrenta e sempre a aumentar o que acontece nas estradas algarvias, uma grande parte na EN125, considerada a via mais perigosa e mortífera do país, não obstante uma parte já se encontrar requalificada, enquanto a outra parte tarda em ser requalificada, devido às trapalhadas e jogos de pingue-pongue entre PSD e PS.
Com toda a evidência, a imposição de portagens muito tem contribuído para esta verdadeira desgraça que se desenrola nas estradas do Algarve. Pelo terceiro ano consecutivo, o Algarve vai ultrapassar este ano, de novo, a fasquia de 10 000 acidentes! Uma desgraça e uma vergonha monumentais – na principal região turística do país - da responsabilidade de PS, PSD e CDS que persistem em manter umas portagens aberrantes.»
Na sua nota de imprensa à comunicação social a C.U.VI. deixa a pergunta «que espera António Costa para cumprir o que prometeu aos algarvios?» E recorda ainda que «antes de ser 1.º ministro, reconhecendo que a EN125 era um “cemitério”, prometeu abolir as portagens na Via do Infante e até hoje nada! A palavra dada ainda não foi honrada. E o PSD e o CDS que dizem defender o Algarve, mas que, quando chega a hora da verdade, juntamente com o PS, inviabilizam as propostas para acabar com as portagens? Uma coisa é o que se diz, outra coisa é o que se faz!»
A Comissão de Utentes da Via do Infante conclui na sua missiva que «agora, estas 3 forças políticas – PS, PSD e CDS – vão ter mais uma oportunidade de ouro para se redimirem e votarem favoravelmente as propostas do Bloco de Esquerda e do PCP apresentadas na especialidade do Orçamento de Estado para 2019. O Algarve está com os olhos postos nestas votações na Assembleia da República. Desde já se agradece a divulgação desta nota de imprensa.»

  • PARTILHAR   

Outros Artigos