(Z1) 2024 - CM de Aljezur - Aljezur Sempre
(Z4) 2024 - CM Lagos - Marchas Populares

Autarcas e Comissários Políticos do PAN Algarve demitem-se em bloco da Comissão Política Distrital

Autarcas e Comissários Políticos do PAN Algarve demitem-se em bloco da Comissão Política Distrital

A Lista A, vencedora do último acto eleitoral que elegeu a Comissão Política Distrital (CPD) do PAN no Algarve, demitiu-se em conjunto do Órgão.

Entre os membros demissionários encontram-se todos os autarcas que cumprem atualmente mandato nas respectivas Assembleias Municipais e de Freguesia: Daniela Duarte e Ricardo Cândido de Portimão; Ana Poeta de Loulé, Paulo Baptista e Elza Cunha de Faro e Alexandre Pereira de Olhão.

Seguem as mesmas pisadas, Maria João Sacadura, candidata por Lagos nas últimas autárquicas, César Valente, Mariana Oliveira e João Lelo.

Uma tomada de posição face às constantes irregularidades que marcaram todo o processo eleitoral. Alexandre Pereira refere que, “não estão garantidas as mínimas condições para que possamos manter-nos na Comissão Política, recém eleita.”

Tendo em conta a instrumentalização e manipulação dos filiados e as inúmeras irregularidades cometidas por alguns elementos da lista B, o processo eleitoral foi tudo menos democrático e igualitário, com um claro aproveitamento da inoperância da direcção do partido em impedir todos estes acontecimentos. Marcamos assim a nossa posição, face à gravidade dos acontecimentos. Somos eleitos para servir as causas do PAN e neste momento sentimos que há pessoas a servir-se do PAN para os seus objectivos pessoais e isso é inaceitável!”, reforça Maria João Sacadura.

Os comissários, agora demissionários, apontam entre outras, as seguintes razões para a renúncia ao mandato: a utilização abusiva de informação privada dos filiados, em violação do Regulamento Geral de Protecção de Dados, para elaboração de lista e manipulação de propaganda; uso indevido de canais oficiais de comunicação do partido e usurpação da função de comissários; arregimentamento de familiares de primeiro, segundo e terceiro grau e outros graus de parentesco com o fim único de aumentar o número de votos nas eleições; várias irregularidades administrativas como a não entrega da lista completa e devidamente preenchida e assinada, boicote aos eleitos locais, impedindo a adequada divulgação das suas actividades e intervenções, sendo que o trabalho interno se tornou hostil e insustentável.

De acordo com Elza Cunha “todas as situações foram reportadas à Comissão Política Nacional (CPN) e à Comissão Política Permanente do partido, bem como à Secretaria de Acção Jurídica e ao Conselho de Jurisdição Nacional, no caso das situações que constituem crime ao abrigo da Lei portuguesa e comunitária, nomeadamente, a utilização abusiva dos dados pessoais das filiadas e filiados do Algarve.”

É de notar que, só após a última informação à imprensa, a direcção do partido comunicou a instauração de uma comissão de inquérito para apurar os factos e assacar responsabilidades, mas ainda nada aconteceu.

Apesar de tudo, iremos prosseguir o nosso trabalho autárquico com o apoio e assessoria da equipa da “Lista A”, cujos elementos demonstraram já uma imensa e consistente capacidade de trabalho, e incluem valências nas mais diversas áreas. Com brio e sentido de responsabilidade, continuaremos a dar voz à vontade legítima expressa pelos milhares de eleitores que depositaram em nós a sua confiança. Seguimos unidos na convicção que o PAN é muito mais do que isto!”, finalizou Paulo Baptista.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos