(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2023 - CM Lagos - Natal

Tempo é cérebro, seja mais rápido que um AVC

Tempo é cérebro, seja mais rápido que um AVC

Artigo de Opinião de Tiago Gregório – Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral da SPMI

Todos os anos cerca de doze milhões de pessoas sofrem um acidente vascular cerebral (AVC) em todo o mundo, fazendo desta doença uma das principais causas de morte e invalidez. Em Portugal estima-se que 18 mil pessoas sofreram um AVC em 2019, um número que irá subir nos próximos anos devido ao envelhecimento da população.

Os custos desta doença para o nosso país são brutais, quer em termos de vidas humanas (cerca de 17 mil por ano), quer em termos financeiros (160 milhões de euros em custos diretos) ou de perda de anos de vida com qualidade (230 mil dias).

A forma mais frequente de AVC é o AVC isquémico, responsável por cerca de dois terços de todos os AVCs. Esta doença é causada pelo entupimento das artérias cerebrais por um coágulo, que compromete o fluxo sanguíneo e leva assim a lesão cerebral. O seu tratamento evoluiu bastante nas últimas décadas, com a criação das unidades AVC e a utilização da trombólise e da trombectomia. O primeiro tratamento consiste na administração de um fármaco para dissolver o coágulo, enquanto o segundo consiste na remoção direta do mesmo através da utilização de um fio (cateter), que é navegado pela circulação cerebral com o auxílio da angiografia. Poucos são os tratamentos na medicina tão eficazes como estes, todavia apenas uma minoria dos doentes afetados chega a beneficiar deles. Em Portugal, apenas 8% beneficia de trombólise e 5% de trombectomia. A principal causa para estes números baixos é o atraso na chegada dos doentes ao hospital, que faz com que a lesão cerebral seja já irreversível à altura do diagnóstico. Adicionalmente, persistem ainda assimetrias regionais no acesso a estas terapêuticas, que estão mais disponíveis nos grandes centros urbanos. Independentemente de terem ou não sido submetidos às mesmas, todos os doentes beneficiam do internamento inicial em unidades de AVC dedicadas e da prestação de cuidados adequados de reabilitação.

Pelo que foi descrito anteriormente, urge mudar o cenário e para tal é necessário um compromisso de toda a sociedade. O primeiro passo consiste na prevenção, que tantas vezes é desvalorizada pelos doentes. As principais causas de AVC são a hipertensão arterial, a diabetes, o colesterol, o tabagismo e a obesidade, pelo que os cidadãos devem abordar e tratar estes fatores de risco em colaboração com os cuidados primários de saúde. O segundo passo consiste na identificação rápida do AVC como uma emergência médica, com o transporte expedito do doente para o hospital. Para tal, é necessária a identificação rápida dos sinais de alarme pela população (boca de lado, alteração da fala ou da força), a ativação imediata da emergência pré-hospitalar (INEM- 112), o transporte imediato do doente para o hospital e o estabelecimento de circuitos intra-hospitalares específicos para o AVC (vias verdes AVC), de forma a tratar o doente o mais rapidamente possível. É importante salientar que este segundo passo consiste numa “cadeia de eventos”, que será sempre tão forte quanto o seu elo mais fraco. De nada vale ter a via verde AVC e o INEM preparados, se o cidadão não identificar corretamente os sintomas e pedir ajuda. Por fim, são essenciais políticas de saúde que assegurem os cuidados necessários a todos os doentes com AVC, independentemente da sua localização geográfica. Para que isto seja feito de forma eficiente, diferentes estruturas do Serviço Nacional de Saúde deverão ser capazes de funcionar em rede, com o foco centrado no doente.

Todos juntos podemos mudar o panorama desta doença. Vigie e controle os fatores de risco cardiovascular. Se notar a boca de lado, alteração da fala ou falta de força, ligue imediatamente para o 112. Tempo é cérebro, seja mais rápido que um AVC.

  • PARTILHAR   

Outras Opiniões

: