(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2024 - CM Lagos - Programa Vacinação Infantil

Dia Mundial da Diabetes assinala-se a 14 de novembro: Diabetes aumenta o risco de desenvolver doença renal

Dia Mundial da Diabetes assinala-se a 14 de novembro:  Diabetes aumenta o risco de desenvolver doença renal

Artigo de Andreia Campos, Nefrologista, Campanha “A Vitória Contra a Doença Renal Começa na Prevenção”

A diabetes é uma doença que ocorre quando o organismo não produz insulina em quantidade suficiente ou não a consegue utilizar de forma adequada. A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas que regula a quantidade de açúcar no sangue. Há vários tipos de diabetes: os mais comuns são o tipo 1 (10% dos casos, geralmente diagnosticada na infância e ocorre por insuficiência do pâncreas na produção de insulina) e o tipo 2 (mais comum, ocorre geralmente em adultos com mais de 45 anos) em que o pâncreas produz insulina que o organismo não consegue utilizar adequadamente.

As complicações da diabetes não surgem no imediato e são resultado do descontrolo glicémico persistente. Há vários órgãos que podem ser afetados, entre os quais, os rins. Cada rim contém cerca de 1 milhão de nefrónios, que de forma simplista, são filtros que regulam a eliminação dos produtos tóxicos do metabolismo e o excesso de líquido. A diabetes pode danificar este sistema, dando origem à nefropatia diabética.

Os níveis elevados de açúcar no sangue (hiperglicemia) aumentam o trabalho dos rins e causam danos nos vasos sanguíneos que culminam na perda da capacidade de filtração e na acumulação de tóxicos. A doença renal é silenciosa. O primeiro sinal de doença é a presença de quantidades anormais de uma proteína chamada albumina na urina (albuminúria). A elevação da pressão arterial, a maior frequência urinária (polaquiúria) sobretudo à noite (nictúria), inchaços (edemas) à volta dos olhos, mãos e pés podem ocorrer; numa fase mais tardia há acumulação de creatinina e ureia no sangue e nessa fase os sintomas são os mesmos da doença renal crónica avançada (cansaço, perda de apetite, náuseas, vómitos e prurido). Na diabetes, pode haver dano nos nervos (neuropatia) com disfunção da bexiga e dificuldade no seu esvaziamento, aumentando o risco de infeções do trato urinário e dos rins.

Nem todos os doentes diabéticos desenvolvem doença renal. A hipertensão arterial, o tabagismo, a raça (mais frequentes em hispânicos, afro-americanos e asiáticos) e fatores genéticos podem aumentar o risco.

Há dois fatores chave no tratamento da doença renal associada à diabetes: controlar a glicemia a pressão arterial. É essencial evitar o excesso de peso, diminuir o consumo de sal, evitar o consumo de álcool e tabaco e praticar exercício físico regularmente. Quando estas medidas não são suficientes deve associar-se terapêutica farmacológica.

Em Portugal cerca de 1 em cada 3 diabéticos podem desenvolver doença renal crónica com necessidade de terapêutica substitutiva da função renal. Cerca de 35 a 40 % dos doentes em diálise são diabéticos.

Acompanho muitos doentes com doença renal diabética, vários em diálise, outros já transplantados. Uma grande parte deles ignorou durante vários anos a necessidade de manter um adequado controlo glicémico.

Quando o diagnóstico é efetuado em fases precoces da doença ainda existe hipótese de intervenção e de retardar a sua progressão. Por isso, esteja atento! O seu comportamento é determinante. Consulte o seu médico regularmente. Deve realizar um estudo analítico ao sangue e à urina, pelo menos uma vez por ano. A hipertensão arterial, a dislipidemia e a obesidade têm de ser controladas. Evite tomar medicamentos que possam lesar o rim, nomeadamente anti-inflamatórios não esteroides.

Ao cuidar da sua diabetes está a cuidar dos seus rins! A vitória contra a doença renal começa na prevenção! Saiba mais em www.rim.pt

  • PARTILHAR   

Outras Opiniões

: