(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir

Pedro Araújo nos quartos de final de singulares do Loulé Open

Pedro Araújo nos quartos de final de singulares do Loulé Open

Nos pares também venceu e avançou para as meias-finais, em que Francisco Cabral e Gonçalo Falcão vão estar frente a frente

Um dia depois de se estrear com uma reviravolta, Pedro Araújo voltou a vencer e qualificou-se para os quartos de final de singulares do Loulé Open, igualando neste torneio internacional de 25.000 dólares o melhor resultado da carreira. Mais tarde, o lisboeta de 19 anos também avançou nos pares e garantiu a presença nas meias-finais, tal como os compatriotas Francisco Cabral e Gonçalo Falcão — todos com parceiros diferentes.

Se na quarta-feira deixou pelo caminho o alemão Sebastian Fanselow (419.º ATP), esta quinta-feira Pedro Araújo — que ocupa a 798.ª posição na hierarquia mundial masculina — deu a volta ao francês Laurent Lokoli (atual 522.º e ex-207.º) para vencer pelos parciais de 2-6, 7-5 e 6-1, num encontro em que precisou de salvar um match point na segunda partida.

A vitória, rubricada em 2h25, apurou o tenista de Lisboa para os quartos de final de singulares de um torneio internacional pela terceira vez na carreira e curiosamente sempre no concelho de Loulé (Vale do Lobo 2020 e 2021 e Loulé 2021).

Para ir um passo mais longe e marcar presença nas primeiras meias-finais, Pedro Araújo terá de passar por um adversário que esta quinta-feira viveu uma situação semelhante: Arthur Cazaux, finalista do Australian Open de juniores em 2020 e atual número 342 mundial. O francês esteve a perder por 6-0 e 5-2 e enfrentou um match point no tie-break, mas conseguiu dar a volta ao marroquino Elliot Benchetrit e triunfar por 0-6, 7-6(7) e 6-0 para alcançar a nona vitória consecutiva em Portugal (vem do título em Setúbal).

Para trás ficaram Luís Faria e Francisco Cabral. O jovem vimaranense (777.º ATP) perdeu por 6-3 e 6-4 para o japonês Kaichi Uchida (369.º e terceiro cabeça de série), que elevou o nível em relação à véspera, enquanto o portuense desistiu devido a problemas no cotovelo direito quando perdia por 6-1 e 1-0 para Rickey Hijikata, australiano que ocupa o 468.º lugar do ranking e jogou a final em Setúbal no domingo.

Apesar das dores, Francisco Cabral conseguiu regressar ao court e vencer ao lado de Corentin Denolly. O português e o francês — primeiros cabeças de série — perderam o primeiro set para Raphael Calzi e Amaury Raynel, mas deram a volta ao marcador e carimbaram o triunfo por 1-6, 6-2 e 10-6.

Com este resultado, Cabral colocou-se a um passo de atingir uma impressionante quinta final consecutiva na variante (foi campeão do ITF de 25.000 dólares de Sintra com Sebastian Fanselow, campeão do Challenger de Braga com Nuno Borges e vice-campeão dos Challengers de Lisboa e Barcelona também com o maiato). Para isso, terá de superar um compatriota, dado que Gonçalo Falcão e o esloveno Tomas Lipovsek Puches confirmaram o estatuto de quartos pré-designados e derrotaram Luís Faria e Jaime Faria por 6-0 e 6-4.

Na metade inferior do quadro, a representação portuguesa continua assegurada por Pedro Araújo. Depois de começar o dia a vencer em singulares, o campeão nacional de sub 18 de 2020 terminou com a mesma sensação ao ser novamente bem sucedido, desta vez ao lado de Kaichi Uchida, e graças aos parciais de 6-1 e 7-5 sobre os espanhóis Alberto Barroso Campos e Roberto Ortega-Olmedo, segundos favoritos. Araújo e Uchida vão lutar por um lugar na final com Hijikata e Mick Veldheer.

Fotografias: https://www.flickr.com/photos/raquetc/albums

Créditos Gaspar Ribeiro Lança/Raquetc

  • PARTILHAR   

Outros Artigos