(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2021 - Concurso de Fotografia

Poeta algarvio Nero lança "Oceano - o Reino das Águas"

Poeta algarvio Nero lança "Oceano - o Reino das Águas"

O poeta algarvio Nero lança dia 25 de Junho o livro de fantasia/poema épico "Oceano - O Reino das Águas". 

Oceano – O Reino das Águas é um poema épico monumental sobre a viagem do Homem pelo Oceano, onde maravilhas flutuam e seres fantásticos guerreiam. Desdobra-se, a cada verso, em múltiplas interpretações, concentrando símbolos, potenciando emoções e exaltando, acima de tudo, o poder e o encanto supremos da palavra.

O poeta português Nero ousa - muito provavelmente, pela primeira vez - o cruzamento da alta fantasia moderna com os moldes clássicos da poesia épica. Um ambicioso trabalho de dezoito anos, cujo resultado, por demais esculpido e aprimorado, nos chega absolutamente surpreendente, numa edição de capa dura e de grande requinte.

Ao mesmo tempo que honra as mais clássicas influências do cânone (de Homero a Dante e a Camões), procura desafiá-lo. Mais do que uma aventura de perder o fôlego, de proporções avassaladoras e de poderosíssima ressonância emocional, eis uma lúcida e inspirada ode à humanidade (a todos os seus defeitos e qualidades), à literatura e à própria língua portuguesa.

.

Para todos os amantes de fantasia, de poesia e de literatura.

.

Sobre o autor:

Nero nasceu no Algarve, no sul de Portugal, a 22 de Setembro de 1987 e reside actualmente na freguesia de São Bartolomeu de Messines, concelho de Silves. Estudou Língua e Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

O seu espírito criativo revelou-se cedo, escrevendo histórias desde criança. Aos quinze anos, entregou-se a uma só história. Desenvolveu-a, aprofundou-a e maturou-a, por dezoito anos, criando um universo próprio. Escreveu-a, reescreveu-a e reescreveu-se, até que se lhe rendeu.

Ora se cumpre: Oceano – O Reino das Águas, poema épico e fantástico, é o seu primeiro livro publicado.

Outros títulos da sua obra poética, já escritos, ascenderão entretanto à superfície, nas marés por vir.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos