(Z1) 2020 - CM de Vila do Bispo - Um concelho a descobrir
(Z4) 2024 - CM Lagos - Programa Vacinação Infantil

Documentário “A Fortaleza dos Pescadores” encerra DiVaM 2023

Documentário “A Fortaleza dos Pescadores” encerra DiVaM 2023

A Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg) assinala o 8.º aniversário da atribuição da Marca do Património Europeu (MPE) ao Promontório de Sagres, no próximo dia 2 de dezembro, com o concerto multimédia "Memória da Paisagem", no auditório da Fortaleza de Sagres. 

No domingo, o documentário “A Fortaleza dos Pescadores” encerra a programação do DiVaM 2023. Para a Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe está agendada uma oficina de empreita no dia 5 de dezembro.

"Memória da Paisagem" recorre à criação e improvisação musical ao vivo com instrumentos eletrónicos, inspirada em paisagens sonoras recolhidas previamente na região de Sagres e Lagos, chamando a atenção para a importância da preservação das paisagens, enquanto património cultural e natural a preservar. O concerto terá lugar no próximo sábado, às 16h00, um projeto de Rui Santana e Filipe Pilar, promovido pela Questão Repetida – Associação Cultural.

O Promontório de Sagres, que ostenta a MPE desde 2015, representa hoje um exemplo notável de um território preservado, sendo um símbolo do património português, europeu e da história da humanidade. A MPE destaca a riqueza e complexidade da paisagem cultural que o Promontório de Sagres possui, evidenciando as origens antigas da civilização europeia.

O território do Promontório de Sagres, para além da Fortaleza de Sagres, abriga uma série de bens patrimoniais de grande importância à escala europeia, incluindo uma das maiores concentrações de menires em toda a Europa, a antiga rota de peregrinação a São Vicente, a Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, uma rede de fortificações e a cidade de Lagos, que foi o primeiro cais de partida e que possui um significativo património relacionado com a escravatura.

O programa cultural da DRCAlg, DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos, encerra no próximo domingo, dia 3 de dezembro, às 16h00, e os protagonistas são os pescadores da Fortaleza de Sagres, com a apresentação do documentário "A Fortaleza dos pescadores”, um projeto da ATGDM - Associação das Terras e das Gentes da Dieta Mediterrânica.

Pode ler-se na sinopse do documentário que “A obra aborda sobretudo a relação dos pescadores com a Fortaleza e as várias fases pelas quais esta relação tem passado. Se, antes de 1997, a Fortaleza tinha as portas abertas 24 horas por dia, permitindo a pesca à cana a qualquer hora, uma mudança de rumo no destino e gestão do monumento veio mudar a realidade e criar momentos de tensão com a comunidade local, sobretudo com os pescadores. Ao longo de cerca de uma hora, através de imagens e testemunhos, o documentário conta essa e outras histórias. Fala também da sensação de pertença, do prazer de olhar o mar do alto do promontório, e da força da natureza que o Homem ousa em enfrentar. Aborda ainda a essência de um monumento que só existe por inteiro ao acolher os pescadores que dão às suas rochas nomes de pesqueiros”.

"A Fortaleza dos Pescadores”, concebido entre os meses de junho e novembro de 2023, foi realizado e filmado por Ana Medeira, com o guião de Fúlvia Almeida, a música original de Diogo Russo e as imagens aéreas de Carlos Neto.

Entrada gratuita sujeita a reserva através do email: amedeira@gmail.com

O DiVaM 2023 teve como tema “Patrimónios (des)confortáveis” e levou, aos monumentos afetos à DRCAlg (Fortaleza de Sagres, Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe e Ruínas Romanas de Milreu), 13 projetos, de 12 agentes culturais, nas áreas de cinema, música, performances, arte circense, oficinas e conversas nos monumentos.

A Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe recebe, na terça-feira, dia 5 de dezembro, entre as 14h00 e as 17h00, um workshop de Empreita, promovido pela Avonde – Associação Cultural.

O workshop de empreita é destinado à comunidade sénior da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo e será orientado por Manuela Caneco, figura que se destaca no contexto local, pelo conhecimento que detém no domínio desta técnica ancestral. Nesta atividade, a orientadora fará uma breve introdução sobre as origens e sobrevivência desta técnica, a modalidade de colheita e secagem das folhas de palma, ensinando os participantes a realizar um objeto em empreita.

  • PARTILHAR   

Outros Artigos